quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Casamento Michelle e Arthur

Cerimônia e recepção: MAM



"E ele chegou aos 21 anos e eu já trabalhava e viajava o mundo inteiro, mas no meio de tanta gente eu ainda não era 100% feliz. 

Me sentia incompleta, sentia que faltava algo e foi nesse momento que eu pedi você! 

Sim, eu pedi exatamente você!"

(trecho dos votos de Michelle)

Parece que alguém lá em cima atendeu e Michelle conheceu Arthur. Um professora de francês com disposição para cupido, um barzinho em Copacabana e lá estavam eles frente a frente.

"Naquele dia, ele ainda não sabia, mas eu já tinha certeza que ele seria meu namorado!Foi amor a primeira vista." ...pra ele, demorou três dias (risos).Três loooongos dias para adicionar a Michelle no Facebook, receber dela um in box "Adicionadíssimo!" e convidá-la para sair.

Pronto!Destino selado, namoro!

E eu? E eu? E eu?
Entrei na vida deles para o bibi-di bobidi booo!!!!!
O Grande Dia!!!!

A mágica transformação de sonhos num grande baile de casamento!!!!!

Organização, cerimonial, decoração...varinha na mão para começar.

Claro que antes da festa teve cerimônia na chupá e vou começar por ela porque teve muita coisa bacana que vocês vão adorar ver.

A princípio, tudo seria na Villa Riso mas ela fechou.

No meio do caminho, fomos surpreendidos pela notícia e recomendei as famílias de fossemos para o Museu de Arte Moderna. Lá caberia tudo, todos e o sonho deles teria o palco que precisavam.

Assim foi.



Michelle e Arthur me pediram para criar o ambiente da cerimônia nos jardins do Museu e eu achei a ideia incrível já que seria uma cerimônia judaica.

Nada contra as chupás clássicas em ambientes fechados, com voals pendurados etc mas fazê-las em madeira crua, coberta de flores e sob um céu de estrelas...ah... adoroooooooo!

Afinal, sonho e estrelas combinam muito.


Com orquestra tocando em meio às árvores? Mais ainda!

Com a brisa do mar cobrindo a cena? Tudo tudo!

A chupá ficou assim. Decorei com galhos, flores de bouganville, iluminação especial e uma estrutura de madeira envernizada.

No centro, um aparador talhado à mão oferecia kipás para os homens na chegada dos convidados
Seu significado nas cerimônias judaicas é bonito.

Ela representa o lar que eles construirão juntos.

Aberta por todos os lados, mostra que todos serão bem vindos mas também a fragilidade e a lembrança de que a vigília constante é necessária para mantê-la sempre especial.

Muitos detalhes, uma surpresa, um celebrante gente boa, esse clima todo lindo do ambiente e começou.

O hasan David Alhedeff abriu a cerimônia com o cântico "Con te Partiró" em hebraico. Coisa bonita demais.

E entrou Arthur.
Emocionado... de mãos dadas com seus pais.

Depois dos trinta e quatro padrinhos, foi a vez das crianças e aquelas plaquinhas fofas que sempre deixam os convidados com aquele sorriso bobo de quem está viajando para uma outra dimensão no espírito.

Um vôo para o mundo do encantamento. Preparação mais que perfeita para a vibração que se espera durante uma celebração de amor pleno.Não é?

Nas mãos, elas também traziam uma bonequinha vestida igual a elas da iniciativa "Bonecas de Propósito".

Destaque porque é um trabalho muito muito especial onde toda a renda é revertida para assistência a hospitais infantis sem verbas.

Durante a preparação, sugeri para a Michelle e sua mãe, a entrada das crianças com as bonequinhas.

As meninas adoram, fica fofo no visual e também funciona muito bem durante a cerimônia.As crianças se distraem com as bonecas e não ficam entediadas com aquele rito todo de adultos.

Elas toparam e se comoveram com a possibilidade de levar ao casamento, um ato de generosidade também com a iniciativa social das "Bonecas de Propósito".
Acho lindo, em meio a tantos detalhes e sentimentos envolvidos na preparação de um casamento, os noivos que se preocupam em dar um pouquinho ao universo também.

Mas a parte das crianças não acabou!
Uma surpresa parou o trânsito na cerimônia.

Lorenzo! O sobrinho lindo da Michelle de apenas cinco meses foi nomeado segurança das alianças e entrou pelo tapete com seu BMW, crachá e terno.

Podem imaginar isso?
Não precisa,não.
Tem foto!

O carrinho pilotado por controle remoto foi uma das atrações do casamento.




Michelle, que entrou de mãos dadas com sua mãe, estava linda num vestido todo bordado em mangas compridas (acho elegantíssimo para noivas) da querida Carol Hungria.

Cabelos presos, véu longo... tudo como manda o protocolo.

Acrescente-se a felicidade que transbordava de seus olhos também!

Assisti da primeira fila as lágrimas dela ao chegar na chupá e ser recebida pelo seu amor.

A troca das juras de amor que fizeram ali...que profissão privilegiada a minha.

Foi mesmo especial.
Tudo foi.
Cada etapa da cerimônia.

A orquestra dos Violinos Moza trabalharam belamente canções populares, clássicas e judáicas e levaram a todos a embarcar ainda mais num momento inesquecível.

Sete voltas ao redor do noivo, vinho, quebra do copo, Mazal Tov!!!!!

A festa estava declarada e a hora então era de celebrar!






E os convidados seguirão para os salões do MAM reservados para os festejos.

Lá um decoração cheia de cor e personalidade foi o que eles me pediram.

E assim ficou!

O salão interno recebeu as mesas tradicionais que dariam conforto e acomodação para os 300 convidados enquanto a pérgula tinha uma configuração mais "varanda", com direito a uma caprichada estação de doces e uma visão privilegiada da pista de dança.

Por falar neles, os doces foram mais uma vez, elogiadíssimos.

Orgulho dessa equipe linda de profissionais que compõem minha equipe de confeitagem.

Olha só, o retrato da encrenca...











Metros e metros de uma linda mesa em tampo de cobre ancoravam o módulo central da estação enquanto estantes, pequenas mesinhas talhadas, cestos e pequenos aparadores completavam o conjunto de móveis que teriam a honrosa função de decorar o lugar mais fotografado e visitado da noite.

Brownies, bem casados, chocolates belgas com as mais diversas pralinés, tudo num colorido lindo reforçado pelas forminhas onde aproveitei para trabalhar as diferentes nuances da paleta de cores da festa.
 


As mesas de convidados também ganharam mimos especiais.

Sobre cada uma delas, um prisma com o nome de uma das cidades ou pontos turisticos onde Michelle e Arthur passaram na viagem de noivado.

A ideia não foi demais? Não faltaram opções para nenhuma das trinta mesas que se apresentavam.


O salão estava a cara deles: vibrante, colorido, moderninho, um descontraído chique.

Mesas em formatos variados, guardanapos de linho, talheres de prata e sousplats em ratan e cadeiras com assentos em veludo.

Para dar mais aconchego ainda, coloquei tapetes tipo persa sob elas e caprichei no paisagismo que ganhou árvores construídas galho por galho para que todas obedecessem um padrão único de forma e tamanho dando mais harmonia ao visual geral.



O espaço onde ficou a pista de dança também foi rico em atrações.

Além de um palco com uma estrutura pesada de luz onde mais tarde se apresentaria a banda Briefing, um bar de 6 metros de comprimento também estava lá para aplacar a sede da turma que prometia fazer muita bagunça boa mais tarde.

Também ali, ficou a estação de chopp artesanal estrategicamente colocada próxima a pista para ninguém precisar se afastar do coração da festa para matar a sede.


Os noivos fizeram as fotos de praxe no bolo com direito a corte simbólico, brinde e muito beijo - claro! antes de seguir para a pista de dança onde abririam oficialmente o baile.

Acho muito especial esse momento. Tudo deve ser vivido por eles com muita intensidade mas esse de cortar o bolo...brindar...registrar para a posteridade a realização de um sonho é realmente "o momento".

Por isso, faço questão que aconteça num cenário bem pensado para isso, com uma luz planejada, com um fundo lindo.

É foto de álbúm,com certeza.

Pessoalmente, não gosto quando acontece na pista. Claro que se for o grande sonho dos noivos, a gente faz mas sempre converso sobre isso.

Na pista, vai ficar uma foto tumultuada, com pessoas de costas, sentadas de pernas abertas ao fundo (risos), coçando o nariz(risos de novo).

Depois, hora do discurso.
E que discurso.

Michelle nem imaginava o que esperava por ela.

Arthur combinou tudo comigo. Ia fazer uma surpresa.
E fez!!!!!

Boa noites cumprido ao microfone, Arthur subiu ao palco com seu pai e cantou para ela.

Sim, ele cantou para Michelle uma música composta especialmente para sua mulher.


Foi um momento lindo!

A companhia do pai foi emocionante demais . Olhando a foto acima, já dá para compreender o significado de uma família querida. O pai no palco com o filho e a noiva, abraçada por sua mãe e sogra.

Sem dar trégua para o coração, eles dançaram a música deles, "Fly me to the moon", coreografada por Gil Rangel e rodeados pelos padrinhos que seguravam velinhas lindas. Cena de filme.




E entra a banda Briefing porque festa judaica que se preza começa com música judaica (HOIRA) e muita loucura na pista.

Não faltou nada.

Eles foram suspendidos sobre a mesa, na cadeira, voando sobre os braços de todos.

Uma festa linda e com uma energia fortíssima!!!!







E a festa seguiu numa vibe aceleradaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Entra DJ...entra sax com DJ....entra a banda de novo......volta o DJ!!!!....

Ufa...foi non stop total.

Brincadeiras na pista, sandalinhas lindas com a identidade visual do casamento...não faltou nada.

Tampouco fotos.



Na cobertura estava Daud Pachá que dispensa comentários só vendo essas poucas que estou publicando aqui.

Beto Santoro, da BV1 Produções...o filme vai ficar sensacional porque os atores estavam perfeitos e o cineasta é top .

Victor Miguel by Social Click com a nobre tarefa de clicar os convidados para produção das fotos lembranças e álbum de assinaturas.






Adorei rever meus noivos queridos de 2015, Júlia e Marcelo que estavam lá curtindo muito, desta vez, como convidados.

A noite não poderia ter sido mais feliz para mim também.

Neste dia, eu estava virada. Trabalhei 40 horas seguidas porque tive um casamento grande na véspera também.

Comecei a montagem do anterior as 7h da manhã, emendei a festa e a desmontagem.




Quando terminou já era hora de começar a montagem do casamento de Michelle e Arthur.

Dormir para quê, né?
Virei.

Depois, de 40 horas acordada e trabalhando intensamente, o olho vai ficando pequenininho na foto mas o astral estava lá em cima vendo tanta felicidade neles.

Foi quando ganhei meu maior presente.
Aquele que faz tudo valer a pena.

Fui surpreendida com eles me pegando no colo!!!!
Não vou esquecer nunca!!!!
É Mastercard!!!!

E como a equipe de registro não dorme também (risos), aqui vai o flagrante!!!




Mi, Arthur!


Na hora dos votos, Michelle declarou seu gosto pela numerologia e pediu proteção, desejando que o número 7 fosse sempre o número da sorte de vocês.

Pois bem...esse é o número da espiritualidade.

Portanto, desejo que vocês nunca se afastem dela.

Estejam conectados a pensamentos superiores, busquem colocar o amor de vocês em esferas altas, nunca se percam em coisas pequenas.

Não sei se já somaram, mas Michelle+Arthur = 14 letras, múltiplo de 7. Juntos, vocês podem multiplicar esse poder tão lindo; o de Deus!

Lembrem de ancorar sempre a vida de vocês em propósitos elevados e sejam muito felizes como foram este noite!!!

Beijos!!!!





Deixe seu comentário aqui neste post.


Se identifique, siga todos os passos até clicar em publicar.


Confirme ao sistema que você não é um robô.



Clique em publicar outra vez para finalizar.